Skip links

ALFABETIZAÇÃO EMOCIONAL

 

Durante a vida temos  contato com diversas áreas do conhecimento tais como: português, matemática, história, geografia, biologia entre outras. A maioria de nós, no entanto, não aprende como identificar ou lidar com nossas próprias emoções, ou as emoções dos outros. Essas habilidades podem ser valiosas, mas você nunca as receberá em uma sala de aula.  Não fomos educados para lidar com sentimentos de raiva, medo, tristeza.  Quantas vezes ouvimos dos nossos pais ou dissemos para uma criança frases como “Engole esse choro”, “Não foi nada, não precisa chorar”, “Não pode ficar com raiva, é feio”, “Não fica triste não, Papai do Céu não gosta”.

Ninguém nos ensinou o que são as emoções, quais funções têm ou como podemos identificá-las. Nenhuma matéria se preocupou com isso no colégio e nem sequer era considerado algo importante para nossa educação. Desse modo, as emoções passaram irrefletida durante anos, até que pouco a pouco foram recuperando o protagonismo que verdadeiramente merecem.

Costumamos acreditar que só a dor física é válida e não valorizamos a dor emocional, como se ela fosse desaparecer caso a deixássemos de lado.

Hoje em dia, além de seres sociais, sabemos que somos seres emocionais e que, dependendo de como administramos este diálogo interno, assim nos encontraremos. Sem dúvidas, as emoções ganharam terreno, demandando que a educação dê um passo a frente. O controle das emoções é fundamental para o desenvolvimento e a evolução de um indivíduo, contribuindo diretamente para a construção de uma sociedade formada por pessoas mais confiantes, equilibradas, menos ansiosas e com uma autoimagem positiva.

“A aprendizagem sócio-emocional ajuda as crianças a desenvolver habilidades de comunicação e integração social”. 
-Neva Milic Muller- 

Afinal, o que é a alfabetização emocional?

A palavra alfabetizar se relaciona comumente com o processo de ensinar a ler ou a escrever, habilidades básicas no âmbito educativo. No entanto, parece que este conceito pouco a pouco desenvolveu diferentes sobrenomes, dependendo do conteúdo do ensinamento. Com estes avanços, não podemos deixar de pensar que a educação parece enfrentar novos desafios, entre eles, um dos mais superiores e interessantes para nosso bem estar é a alfabetização emocional: o processo de educar as emoções.

A alfabetização emocional é um processo que trabalha e educa justamente as emoções do indivíduo, fazendo com que ele consiga lidar melhor com seus medos, angústias e frustrações  para, assim, se relacionar de maneira mais saudável consigo mesmo e com os outros. O desenvolvimento da Inteligência Emocional permite que o indivíduo tenha capacidade de identificar seus próprios sentimentos e os das outras pessoas. Desse modo, ele passaria a ter ferramentas para gerir suas emoções e melhorar significativamente seus relacionamentos.

 Ao nomearmos um sentimento e falarmos sobre ele, ampliamos nossa percepção e autoconsciência, com isso passamos a nos conhecer melhor e ampliar nosso  repertório de expressão.

 

A alfabetização emocional consiste em ensinar o que são as emoções, para que servem e como são expressadas. É ensinar a se compreender e a compreender aos demais a nível emocional. Com isso nos referimos ao fato de que não apenas é importante entender como vivenciamos tudo aquilo que sentimos mas, também, como devemos processar a informação que as emoções nos transmitem e, finalmente, como as administramos.

Daniel Goleman é um psicólogo, escritor e PhD da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, e é considerado o “pai da Inteligência Emocional”. Goleman ensina que o controle das emoções é essencial para o desenvolvimento da inteligência de um indivíduo. Não há uma loteria genética que define vitoriosos e fracassados no jogo da vida e, embora existam pontos que determinam o temperamento, muitos dos circuitos cerebrais da mente humana são maleáveis e podem ser trabalhados.

Para Goleman, a Inteligência Emocional é a maior responsável pelo sucesso ou insucesso dos indivíduos. Como exemplo, o especialista aponta que a maioria das situações de trabalho e da vida são envolvidas por relacionamentos entre as pessoas. Isso significa que pessoas com qualidades de relacionamento humano — como afabilidade, compreensão e gentileza — têm mais chances de alcançar o sucesso.

Segundo Daniel Goleman, a Inteligência Emocional pode ser categorizada em cinco habilidades:

1. Autoconhecimento emocional

Capacidade de reconhecer as próprias emoções e sentimentos. A ausência desta habilidade de reconhecer os sentimentos nos deixa à mercê das emoções.

2. Controle emocional

Habilidade de lidar com os próprios sentimentos, adequando-os a cada situação vivida. Tendo consciência das emoções negativas que nos bloqueiam, podemos nos libertar delas por meio de um processo dirigido pela razão.

3. Automotivação

Trata-se da capacidade de dirigir as emoções a serviço de um objetivo ou realização pessoal. Se nos deixarmos levar pela ansiedade e pelos aborrecimentos, dificilmente conseguiremos nos concentrar na tarefa que estamos realizando.

4. Reconhecimento das emoções em outras pessoas

Diz respeito à habilidade de reconhecer emoções no outro e ter empatia de sentimentos. Empatia é outra habilidade que constrói o autoconhecimento emocional. Ela permite às pessoas reconhecerem necessidades e desejos nos outros, permitindo-lhes a construção de relacionamentos mais eficazes.

5. Relacionamentos interpessoais

Habilidade de interação com outros indivíduos, utilizando competências sociais. O relacionamento é, em grande parte, a habilidade de gerir sentimentos de outros. É a base de sustentação da popularidade, da liderança e da eficiência interpessoal.

 

 

Em vista do que foi apresentado, conclui-se que a Inteligência Emocional pode ser desenvolvida, treinada e aprimorada com a construção de novos hábitos, novas formas de pensar e se comportar. Logo, todos os seres humanos têm a possibilidade de  melhorar e desenvolver qualquer uma das habilidades destacadas acima. Sendo assim,  se você deseja desenvolver a capacidade de lidar melhor com suas emoções o caminho é o desenvolvimento de sua Inteligência Emocional.

Então.dedique-se ao que realmente importa: VOCÊ !

 

Adriana Mª S. Costa
Psicóloga Clínica – CRP05/34435 & 04/IS00805

* Agende seu horário: (24) 24524478  e (24) 998172071 (WhatsApp)

Espaço Multidisciplinar Vida Plena : Rua André Ruggeri, 115. Bairro de Fátima. Valença/RJ.

Deixe um Comentário

Name*

Website

Comentar...