Skip links

Depressão na infância

Durante muito tempo não se pensou em sofrimento psicológico associado às crianças, uma vez que a infância seria “a melhor fase da vida”.

Depressão é uma doença grave.  Nos adultos, é mais fácil de ser diagnosticada. Eles se queixam e, mesmo que não o façam, suas atitudes revelam que não se sentem bem e a família percebe que algo de errado está acontecendo. Com as crianças  é diferente, elas aceitam a depressão como fato natural, próprio de seu jeito de ser. Ou seja, embora estejam sofrendo, não sabem que aqueles sintomas são resultado de uma doença e que podem ser aliviados. Calam-se, ficam mais retraídas e os pais, de modo geral, custam a dar conta de que o filho precisa de ajuda.

A sintomatologia depressiva na criança é muito diferente da do adulto e é de difícil reconhecimento, uma vez que pode assumir diversas formas. Como a criança ainda está formando seu repertório de reconhecimento e de comunicação para falar de seus sentimentos, ela não consegue compreender de forma clara o que está sentindo e nem consegue exteriorizar “adequadamente” seus sentimentos, tornando mais complicada sua observação.

Na perspectiva psicológica, a depressão está associada, entre outros fatores,  ao comprometimento da personalidade, baixa autoestima e autoconfiança.No que se refere ao âmbito social, pode-se considerar como uma falta de adaptação ou um grito de socorro, como também pode ser uma consequência da violação de mecanismos culturais, familiares e escolares.

É importante dizer que os sintomas depressivos mudam conforme a idade da criança. Existem múltiplos fatores que predispõem à depressão: genéticos, cognitivos (“modos” de pensar da pessoa e da família); maus tratos domésticos; ser vítima de bullying,violência psicológica ou física , luto por perda de entes queridos, entre outros. Por outro lado, diminuem à predisposição à depressão uma relação afetiva calorosa com os pais/responsáveis,círculos de amizades saudáveis, hábitos de lidar com os problemas focando em sua solução, a capacidade de regular as emoções de forma adaptativa, aprender lidar com frustrações e etc.

Mais precisamente, uma criança deprimida pode apresentar humor irritável em vez de tristeza; ou ainda revelar uma queda significativa no rendimento escolar em função do prejuízo na capacidade para pensar e concentrar.

Quando os pais/responsáveis devem procurar ajuda especializada para o filho?

  • Quando percebem um desânimo persistente , dificuldades ou desmotivação para “curtir” a maioria das atividades das quais a criança gostava habitualmente;
  • Ao observarem que os quadros de tristeza se prolongam excessivamente ou são desproporcionalmente profundos;
  • Se junto com estes sintomas, surgirem alterações de sono (dificuldade para dormir ou sono excessivo), alteração no apetite, dificuldades de se concentrar, sentimento de inutilidade.

O conhecimento do transtorno depressivo infantil por parte das pessoas que estão envolvidas com a criança, como pais e professores, a fim de contribuírem para a identificação precoce dos sintomas, é essencial para a superação do transtorno.

A depressão é uma condição clínica grave que pode ocasionar graves repercussões na vida da criança e do adolescente. Logo, família e escola devem estar alertas, pois os sintomas de depressão na infância podem passar despercebidos. A depressão em idade precoce, sem o tratamento adequado,  pode ter continuidade na idade adulta.

IMPORTANTE: Caso perceba algum dos sintomas supracitados em seus filhos ou em crianças ao seu redor, não deixe de procurar ajuda profissional. O Espaço Multidisciplinar Vida Plena conta com profissionais preparados para lidar com pessoas de todas as faixas etárias, inclusive crianças.

Não perca tempo e agende sua avaliação: (24) 24524478    (24)99817-2071 (WhatsApp)

Adriana Mª S. Costa

Psicóloga Clínica

CRP: 05/34435 & 04/IS00805

Deixe um Comentário

Name*

Website

Comentar...