Pular links

SAÚDE MENTAL NO PERÍODO DE CONFINAMENTO SOCIAL: A ERA DO COVID-19

Como muitos já sabem, a Covid-19 é uma pandemia que teve início no final de 2019, na China, e rapidamente se espalhou por todo o mundo. Diversos países adotaram medidas de quarentena por conta do rápido contágio da doença, o que impacta diretamente na saúde mental de toda a população. Assim, segundo a ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria), meios de prevenção em saúde mental precisam ser adotadas a fim de proteger a população dos impactos negativos do medo e da ansiedade em tempos de crises sanitárias.

Afinal, como essa quarentena pode influenciar na saúde mental das pessoas? O isolamento pode agravar ou servir de gatilho para quem tem doença mental pré-existente? Muitas perguntas nos surgem nesse novo cenário para todos. E com esse propósito vamos pensar em estratégias para que consigamos passar por esse processo.

  • Aprender a focar em informações relevantes: com o avanço da tecnologia, muitas notícias chegam ao nosso saber, porem muitas delas são consideradas falsas (as famosas fake news). Dessa maneira, é importante conhecermos o problema (coronavírus) para evitar fantasias mais catastróficas do que a realidade apresenta. Mas como fazer isso? Primeiro procurar a ler apenas em uma fonte confiável (exemplo: site do Ministério da Saúde) e ver apenas 1 jornal por dia. Segundo entender que, o isolamento, o distanciamento social não é para parar/interromper a contaminação, e sim para que um menor número de pessoas sejam infectadas ao mesmo tempo, ou seja, distribuir os contaminados ao longo do tempo para que todos (SUS e particular) tenham acesso hospitalar necessário. Terceiro, infelizmente, grande parte da população irá se contaminar com esse vírus, porem nem todos irão manifestar sintomas graves, muitos desenvolverão imunidade natural e outros apresentarão sintomas leves.
  • Evitar excesso de notícias ruins: como já citado a cima, escolher apenas 1 fonte de leitura e televisiva confiável para obtermos as orientações e atualizações do momento. Temos que entender que ficar “24 horas ligado” nos noticiários é semelhante a uma autoagressão psicológica, ou seja, excesso de informações faz mal a nossa saúde mental. Optem, também, por escolher apenas um horário para ser o assunto de casa, na família, buscando assim diminuir esse excesso que estamos produzindo.
  • Rotina diária: para não cairmos em tentação e ficarmos “ligados” ao noticiário o tempo todo, é importante que cada um estabeleça uma rotina em casa. Horário das refeições, do sono, da faxina, realizar uma atividade física, espiritual, cultural, artesanal, e aproveitar assim para reestabelecermos os laços familiares perdidos com a correria do dia a dia, como por exemplo o comer todos juntos a mesa. Sem uma boa rotina pode surgir sentimento de improdutividade, o que gera ou agrava sintomas ansiosos. Mas para essa rotina funcionar, é importante respeitar seu corpo, suas condições mentais e físicas. Não vamos ser hipócritas e achar que conseguiremos fazer isso todos os dias. Por isso, permita-se falhar, permita-se chorar, comer uma besteira, faz parte também do processo… não se cobre tanto, todos estamos no mesmo barco. E aqueles que estão na internet e conseguem seguir uma vida saudável e feliz? Lembrem-se que as mídias sociais, em sua maioria, é uma ilusão, é uma beleza artificial, nunca se baseie nela, nem se compare com o outro.
  • Busque ajuda:  quando sentir necessidade busque ajuda, essa ajuda pode ser de um familiar, um amigo (através de uma ligação, mensagem, e-mail) ou de um profissional especializado. Mas atenção, é normal sentir-se mais vulnerável nesse período, todos nós estamos, sem exceção. Mas observando que a ansiedade, angústia tem-lhe causado algum tipo de sofrimento entre em contato com um profissional da saúde. No momento, os atendimentos estão sendo feitos on-line ou, se presencial, com horários bem afastados e com todas as medidas necessárias.

Em resumo, se organizem da maneira que seja possível para você e sua família! Se permita a aproveitar o ócio, não se cobre tanto. Se permita a reativar laços de amigos que estão distantes, a aprender coisas novas ou simplesmente amadurecer nas que já pratica. Estamos vivendo em um período delicado, mas juntos, com cada um na sua casa, iremos vencer mais essa batalha, para assim podermos voltar a nos abraçar.

 Afinal, como diz a música: “o melhor lugar do mundo é dentro de um abraço”.

(Texto baseado nas orientações da Sociedade Brasileira de Psiquiatria – ABP e no texo “Dicas de saúde mental em tempos de confinamento” do psiquiatra Daniel Kumpinski).

Autora: Dra. Camila Santos – Psiquiatra

Agendamentos em Valença:

(24) 2452-4478 ou (24) 99817-2071 (whatsapp).

Deixe um Comentário

Nome*

Site

Comentar...